terça-feira, 24 de junho de 2008

Movimentações no Mercosul


Há novas movimentações no Mercosul. Convite a novos membros, tentativa de estabilização e assinatura de acordos. Apesar das fraquezas, claras nas reuniões da Rodada Doha, há novidades no Mercosul e o bloco, lentamente, avança.

Lula busca resolver os problemas do Brasil nas relações com os países do Mercosul. Em reunião com o chanceler Celso Amorim, o presidente pediu urgência na aceitação da Venezuela como país sócio do Mercosul. A aceitação depende do Senado Federal, onde há resistências por parte da oposição. Celso Amorim deve voltar a conversar com parlamentares na tentativa de resolver a questão nos próximos meses.

O presidente anunciou ainda que busca inaugurar projetos de infra-estrutura na América Latina, o que deve fortalecer o bloco. Duas pontes são as iniciativas principais. Uma liga o Brasil ao Paraguai e outra, a binacional Guayaramerín, é um projeto com a Bolívia.

Celso Amorim também vem trabalhando na África em favor do bloco. Em visita à Argélia, o ministro reforçou as relações bilaterais e propôs um acordo marco entre o Mercosul e o país africano. A idéia é iniciar negociações para um futuro tratado de livre comércio com os argelinos. A aliança entre Brasil e Argélia é interessante aos dois países politicamente. Brasília busca um apoio à candidatura ao Conselho de Segurança da ONU, enquanto Argel quer o suporte brasileiro para que seja aceita na OMC.

Tabaré Vázquez também anda movimentando a agenda regional. O presidente uruguaio quer outro "peso pesado" no Mercosul como forma de equilibrar as assimetrias da região. Vázquez convidou formalmente o Presidente Felipe Calderón para que o México ingresse no bloco como Estado parte. A intenção do uruguaio é neutralizar os poderes de decisão de Brasil e Argentina.

Leia mais sobre Mercosul e Argélia; acordos entre Brasil e Argélia; Mercosul e México; Mercosul e Venezuela.

Um comentário:

Anônimo disse...

blog muito bom, notícias relevantes e super atuais, parabéns.
Sonia